Hurley Dia dos Pais

Os talentosos atletas das antigas não apenas fizeram bonito dentro d’água, como criaram a nova geração do surf. Miguel Pupo, Filipe Toledo e Alejo Muniz estão aí para provar que filho de peixe é, sim, peixinho.

Miguelito é filho de Wagner Pupo, ex-integrante da elite mundial e do circuito brasileiro, que sempre foi acompanhado pelos filhos nas competições de que participava. “Tanto o Miguel quanto o Samuel nasceram dentro de um palanque, pois sempre os levei comigo nas competições e isso de certa forma incentivou os dois, afinal esse ambiente era rotina para eles”, conta. Para ele, a evolução do esporte está dentro da sua casa, sendo uma forma de prazer e diversão.

Hurley Dia dos Pais Miguel Pupo Wagner Pupo

Hurley Dia dos Pais Miguel Pupo Wagner Pupo

Bicampeão brasileiro, Ricardo Toledo colocou o filho em cima da prancha quando o garoto tinha apenas dez meses de vida. Anos mais tarde, percebeu que Filipe levava jeito para o surf . “Eu percebia nele uma visão, uma leitura de onda, sempre trabalhando perto da espuma e utilizando a parte crítica da onda.”

Ele conta que mais do que técnico, tem o papel de pai. “Mais do que a figura de um técnico, a  presença do pai é muito intensa. Eu acho que isso traz uma tranquilidade, uma confiança e uma estabilidade emocional”, diz, acrescentando que, independente da escolha da sua carreira, sempre apoiou e apoiará o filho.

Hurley Dia dos Pais Ricardo Toledo

Hurley Dia dos Pais Filipe Toledo Ricardo Toledo

Hurley Dia dos Pais Filipe Toledo Ricardo Toledo

Hurley Dia dos Pais Filipe Toledo Miguel Pupo Ricardo Toledo

Hurley Dia dos Pais Filipe Toledo Ricardo Toledo

Hurley Dia dos Pais Filipe Toledo Ricardo Toledo

Criado entre parafinas, pranchas e revistas de surf, Alejo Muniz sempre teve muito apoio do pai, Rubão. Foi ele, aliás, que colocou o atleta pela primeira vez em cima de uma prancha. Alejo tinha apenas cinco anos e mostrou-se empolgado com o esporte desde então.

Hurley Dia dos Pais Alejo Muniz Rubão

Como você pode ver, nossos atletas nasceram e foram criados (muito bem) para o surf. Além disso, os pais têm um papel fundamental no desenvolvimento da carreira dos filhos, atuando como técnicos. Wagner ainda é o shaper oficial de Miguel e Samuel e Ricardo é o empresário de Filipe.

 

Parabéns a todos eles.

A mãe do nosso atleta, Julian Wilson, é uma sobrevivente na luta contra o câncer de mama, e Julian tendo vivido junto a ela esta batalha teve a ideia de criar uma campanha para a conscientização e prevenção desta doença.

Nós também entramos nessa, por isso nesse mês de março, que é o marco da conscientização sobre o câncer de mama, na , foi lançada uma coleção de boardshorts Phantom Fuse na cor rosa, símbolo da campanha.

Julian Wilson também personalizou o seu quiver para esse início de WCT, com desenhos na cor rosa.

Quem também quiser apoiar esta causa, pode encontrar todos os produtos através deste link.

Depois de assinar o amplificador que lançamos em parceria com a Meteoro, Guilherme França inaugura o Hurley Space Brz. O projeto, voltado à arte, começa com o lançamento de quatro camisetas com estampas criadas pelo artista plástico.

  

Conversamos com Guilherme, para saber mais sobre o seu trabalho. Confira:

Como surgiu o seu interesse pelo grafitti?

Sempre gostei de tudo relacionado à arte e, desde criança, gosto de colocar minha marca em alguma coisa. Comecei a pintar pequenas telas com uns 10 anos e, com o passar do tempo, venho desenvolvendo e criando minha personalidade dentro de um universo muito amplo. Trabalho com arte porque gosto, não penso em nada, simplesmente faço aquilo, naquele momento, sem sequer pensar no que pode vir a acontecer.

As pessoas ainda tendem a pensar a arte urbana como vandalismo?

Se você faz algum trabalho na rua, está sujeito a passar por situações boas e ruins e, muitas vezes, ser reprimido. Não considero os meus problemas na rua como problemas e, sim, situações chatas. As pessoas não sabem muito bem o que estão criticando. Eu acho que pixação e vandalismo são formas de arte. A pixação é um movimento muito original do Brasil, mas ainda pouco valorizado. Mais pra frente, vai ser um dos movimentos urbanos mais falados no mundo. O vandalismo, com certeza, é um movimento artístico, pois tem todo um processo criativo em cima daquilo para ser original, cada um criando sua identidade que é diferente em qualquer lugar.

No que você busca inspiração para criar sua arte?

Meu trabalho é figurativo, mas gosto de mesclar formas abstratas a ele. Minha inspiração vem do momento em que estou vivendo, o meu dia a dia me inspira, e eu também sempre busco algo dentro da música, que com certeza é a minha maior fonte de motivação. Eu também gosto de pintar em lugares isolados. Tenho uma sensação de liberdade quando estou fazendo algo meio a natureza ou em lugares abandonados.

E sobre a parceria com a Hurley, o que você tem a dizer?

A parceria com a Hurley começou em outubro de 2011 e tem me proporcionado novas amizades, novos projetos, oportunidades, tudo fruto de um trabalho que venho realizando com a marca, e sei que com isso tem muita coisa legal para vir ainda. Não penso muito no futuro, vou produzir sempre independente de qualquer coisa. Primeiramente, minha satisfação propria é o mais importante, e o que vier a acontecer será consequência de um trabalho bem-executado. A divulgação do meu trabalho, acredito, será muito legal em relação à marca. A ideia do projeto Hurley Space Brz está ficando cada vez mais forte no Brasil, e muita coisa legal esta por vir.

 

Hurley – Guilherme França (Gui) from Hurley on Vimeo.

Em um mergulho perto de Amami Oshima, no extremo sul do Japão, Yoji Ookata, que há 50 anos é fotógrafo e costuma explorar e documentar a costa japonesa, descobriu ondulações seguindo padrões geométricos com quase seis metros de diâmetro, a 80 metros de profundidade.

Com a ajuda da equipe de TV NHK, Ookata descobriu quem formava esses círculos misteriosos. A revelação foi feita através de um episódio de TV intitulado “ The Discovery of a Century: Deep Sea Mystery Circle”.

O artista é um pequeno peixe Baiacu, que nada noite e dia para fazer suas esculturas na areia. E elas não servem apenas para bonito, mas também têm um forte papel ecológico. A observação revelou que as fêmeas da espécie são atraídas pelas ranhaduras e sulcos, aumentando assim a probabilidade de acasalar com o macho criador da obra.

O círculo serve também como ninho para o casal de peixes, que desova no centro, protegendo os ovos de ameaças externas. Mais uma vez a natureza mostra que é incrível!

Durante 5 dias, de 19 a 23 de setembro, estivemos presentes na Expomusic, através da Meteoro. A parceria com a marca resultou na criação de um amplificador com diversas opções de estampas, inspiradas na coleção de camisetas Hurley assinada pelo artista Guilherme França. Todos os amplificadores estavam à mostra num grande painel no stand.

Além de escolher a sua favorita, o público ainda pode aproveitar o passeio pela feira para participar do sorteio de um ampli assinado por nós, juntamente com Andreas Kisser. Ele será sorteado entre o público e, muitos aproveitaram a visita ao stand para se inscrever.

O guitarrista, aliás, também pintou por lá, atraindo muitos fãs de sua banda, o Sepultura, que circulavam pela feira.

Através das fotos, você consegue ter uma palhinha do que rolou por lá.

Página 1 de 9123456789